27 março 2007

Opções de telefonia 2

Voltando a falar sobre telefonia, uma opção para o telefone fixo da Telefônica é o Tim Casa. Basicamente o Tim Casa é um plano da Tim onde você pode usar o celular para falar com telefones fixos que tenham o mesmo DDD do seu aparelho por um valor bem reduzido, mas só vale se você usar o celular em uma área cadastrada por você, a sua casa por exemplo. Testei por 2 meses (gratuitamente, aproveitando uma promoção) e não tenho do que reclamar do serviço, a não ser o fato de que 200 minutos para mim foi muito pouco, se tivesse planos com mais minutos seria excelente.

Sobre o preço, custa R$ 29,90 (se não me engano) para falar por 200 minutos, dando um valor de R$ 0,15 por minuto, supostamente mais baixo que o pago pelo minuto da telefônica (poderia dizer isso com certeza, se não fosse tão confuso a cobrança deles). Além do preço existem (pelo menos) mais 2 vantagens para o Tim Casa: 1 - Se você fala somente 27 segundos em uma ligação, somente os 27 segundos são descontados de sua franquia, aproveitando ao máximo o valor do plano; 2 - Ligações para cidades vizinhas de mesmo DDD são tarifadas como ligações locais, isso é especialmente bom se você fala muito com cidades vizinhas já que não precisa pagar DDD.

Mas como nem tudo são flores, ai vem as desvantagens, na minha opinião:

1 - Só existe um plano, que é o de 200 minutos, se quiser falar mais vai pagar o valor de uma ligação normal de celular;

2 - Você só pode falar da área que você cadastrou quando se cadastrou no plano, se não tiver cuidado e for muito longe dessa área para usar o telefone poderá pagar uma ligação normal;

3 - Se você usar o Tim Casa para substituir o seu telefone fixo e não tiver nenhuma outra opção para acessar a internet, esqueça, o valor de um plano de acesso ilimitado à internet pelo celular ainda é proibitivo, pelo menos para mim. Eu nunca pagaria R$ 140,00 só para acessar a internet. Por uns R$ 80,00 e uma conexão boa eu chutava a Telefônica aqui de casa.

Essas são as principais desvantagens que vi no Tim Casa, outras pessoas podem descobrir outras desvantagens, que podem ser colocadas nos comentários.

15 março 2007

Opções de telefonia

Com a mudança de tarifação da telefonia fixa de pulsos para minutos, comecei a me perguntar o que seria melhor para mim. Fazendo uma analise rápida sobre o que tenho disponível hoje em telefonia fixa e internet, fiquei com mais dúvidas. Basicamente as alternativas são: telefonia fixa da Telefônica com internet discada, ou o Tim Casa com um pacote de dados ou internet via rádio por uma empresa pequena aqui de minha cidade, e mais nada, nem o Speedy da Telefônica eu tenho disponível em minha linha telefônica (segundo eles, linhas que são ligadas à central por fibra óptica não podem ter speedy). Vou comentar um pouco sobre cada uma de minhas opções.

Primeiro as opções da Telefônica. Com a mudança da tarifação de pulso para minutos temos 2 planos para escolher, o básico (imposto pela ANATEL) e o alternativo (proposto pelas operadoras), e se não escolhermos um deles, automaticamente estaremos com o plano básico (que pode ser alterado posteriormente). O problema é que as ligações podem ficar bem mais caras que as ligações de antes deste plano entrar em ação, variando de caso para caso. A principio, as ligações até 4 minutos ficam mais baratas com o plano basico, mas com o plano alternativo as ligações podem ficar bem mais caras. Com ligações acima de 4 minutos a situação se inverte, o plano basico acaba ficando mais caro e o plano alternativo mais barato. Com isso o problema fica em qual plano escolher. Caso escolha o plano errado, pode ser presenteado com uma conta bem alta no mês seguinte (mas depois você pode mudar de plano e resolver o problema). Mas se você é do tipo de pessoa que faz muitas ligações tanto de até 4 minutos como de mais de 4 minnutos? De qualquer geito acabaria pagando mais caro, não é? Pois bem, na minha opnião, esse é o maior problema dessa mudança, podemos nos dar mal com qualquer plano.

Só para terminar, o plano que a telefônica me recomendou foi o plano alternativo, que fica em R$40,00 (que seria relativo a assinatura) com franquia de 250 minutos. Isso significa que eu estaria pagando R$0,16 por minutos. Hoje eu pago R$ 38,00 (e alguns quebrados) e uma franquia de 100 pulsos, que equevaleriam a 200 minutos segundo a ANATEL, então pago R$0,19 por minuto, portanto mais caro que cobrança por minutos e justifica a mudança. Mas será que essa estimativa de que 100 pulsos equivalem a 200 minutos esta certa para todo mundo? Isso eu não sei, essas tarifas telefônicas são tão complicadas de entender que até quem as criou deve ficar na dúvida. O geito é esperar para ver o valor das próximas contas.

Agora a conclusão: quando pensei em escrever sobre a mudança de pulso para minutos a idéia era tirar minhas próprias dúvidas sobre essa mudança para poder escolher melhor qual plano iria usar, mas as informações que encontrei em sites de notícias, no site da telefonica e folhetos que a telefonica me enviou são tão confunsas que não me esclareceu nada. A impressão que da é de que essa mudança foi feita para favorecer mais as empresas de telefonia, e não os usuários. Se a ANATEL queria dar mais opções aos consumidores então deveria abrir concorrência, isso sim iria fazer os preços baixarem e iria favorecer os consumidores.

Mas nem tudo esta perdido, existem algumas alternativas que vou apresenta-las no próximo post.

13 março 2007

Linux de bolso

Comecei a faculdade (ciência da computação, escolha meio obvia) esse ano e logo de cara fiquei sabendo que iriamos utilizar linux nos computadores da faculdade, o que achei muito bom. Mas chegando no laboratório de informática vi que estava instalado o CentOS, se não me engano é baseado no Red Hat Enterprise (e não Fedora, como tinha postado antes). Até ai tudo bem, nada contra em usar uma distribuição que não conheço, o problema foi quando percebi que o sistema estava da forma como foi instalado, sem nenhuma configuração extra. Primeiro percebi que a resolução estava em 800x600, e não havia como mudar a resolução para 1024x768, que julgo ser ideal de ser usada. Isso até que podia ser suportado, mas ao tentar usar meu pendrive ele não foi reconhecido automaticamente, ou pelo menos não foi montado automaticamente, e depois tentando monsta-lo manualmente, o sistema só dá permição para o root montar dispositivos, e a senha do root, como não podia ser diferente, não temos acesso.

Com essas limitações irritantes fui procurar algo que me desse um pouco mais de liberdade nas aulas. Lembrei-me de que é possível rodar o linux direto de um pendrive, então fui procurar como se faz isso. Depois de ler alguns poucos tutoriais na net, cheguei ao Damn Small Linux, que é uma mini distribuição live-cd baseada no Knoppix com apenas 50 MB, e ele tem interface gráfica ;-). Mas por uma questão de funcionalidade resolvi não utiliza-la. Depois tentei procurar para ver se tem alguma forma de instalar o Slackware em um pendrive, nisso encontrei o Slax. O Slax é uma mini disribuição baseada no Slackware com o mesmo objetivo do Dam Small Linux, porém tem mais opções de configurações e tamanhos do sistema, e um diferencial muito maior que é a possibilidade de instalar software em uma instalação já funcional adicionando módulos de software (que são programas empacotados para o Slax). A instalação é simples (como demonstra este artigo que eu utilizei) bastanto copiar todo o conteúdo da imagem da distribuição para o pendrive, editar alguns arquivos, gravar um setor de boot no pendrive com o comando syslinux. Depois da instalação é reiniciar a máquina e mandar ela dar boot pelo pendrive. Demora um pouco para iniciar, mas depois que inicia o sistema é muito rápido.

Mas se você não esta contente com o conjunto de software que veio com a opção de configuração que você escolheu, então é só pegar alguns módulos na página do Slax e adicionar na pasta modulos do seu pendrive. Os módulos, estando na pasta destinadas a eles, são reconhecidos imediatamente no boot do sistema, não pecisando ser executado nenhum comando para isso. Mas se os módulos estão em um lugar diferente existe um comando para faze-lo "instalar" no sistema, é só verificar na documentação do Slax. No meu caso eu estou usando aconfiguração mais basica do Slax, o Frodo, que tem somente o basico de um sistema linux, e o restante das aplicações estão em módulos que eu adicionei. O incoveniente é que preciso executar o comando ldconfig cada vez que dou o boot para que o sistema reconheça as bibliotecas adiciondas pelos módulos (claro que tem como resolver isso, mas isso fica para um próximo post).

Bom, isso é o basico do Slax. A medida que for descobrindo mais sobre o sistema vou postando aqui, inclusive como editar alguns aquivos de configurações permanentemente (toda edição que se faz quando o sistema esta executando é descartada quando se desliga ou reboota o computador). Até +.

08 março 2007

Revista Guia do Hardware.net 3

Foi lançado a revista Guia do Hardware.net 3ª Edição, muito boa como as duas anteriores.

As matérias mais interessante (pelo menos para mim, é claro) são:

Tudo o que você queria saber sobre PCI Express -> Se não fala tudo o que gostariamos de saber, acho que faltou poucas coisas. Muito completo, essa matéria é para esclarecer as suvidas de todos.

Do 486 ao Athlon -> Para relembrarmos sobre o hardware que utilizavamos (ou ainda utilizamos), e também para aprendermos mais sobre o funcionamento e arquitetura dos processadores.

Formas mais comuns de destruir um PC -> Obrigatório para qualquer um que trabalhe com manutenção (mas que não tem muito aprofundamento na área) e principalmente para os micreiros de plantão. Informações uteis que podem salvar a vida de um PC.

Para quem gosta de ler revistas técnicas é um prato cheio de informações.

Por que criar um blog?

Estava lendo esses dias no Contraditorium um post falando que se deve esquecer do AdSense (serviço de propaganda do Google onde você adiciona algumas propagandas em seu site ou blog e recebe alguns centavos de dólares a cada clique que algém dá em uma das propagandas, ou algo parecido com isso) quando você esta iniciando seu blog. Diz também que muitas pessoas acabam criando um blog somente para tentar arrecadar alguma grana com esse sistema, e acabam se frustrando quando recebem muito pouco com isso (na verdade, com o AdSense você só recebe o pagamento quando acumular 100 dólares em sua conta do AdSense) e acabam abandonando o blog. Outra coisa interessante é que ele diz (ele no caso é o Cardoso, dono do blog, que escreveu o post) que leva muito tempo até que se consiga alguma coisa com o AdSense, principalmente por que no inicio quase ningém acessa o blog, e muito menos ainda clicam nas propagandas.

Algumas dicas passadas no post são (não é a transcrição correta, e sim o que eu entendi, e muito menos esta na orndem que esta no post original):

1- Não crie um blog visando algu lucro;
2- Não coloque o AdSense ou outro sistema de propaganda no inicio de seu blog, mas somente depois que blog estiver com um número considerável de visitas por dia;
3- Preocupe-se somente em escrever coisas interessantes, inteligentes, assim você consegue manter os leitores que acessarem seu blog;
4- Você só irá ter um número considerável de visitas por dia depois de meses ou talvez anos, isso se você mantiver uma frequencia boa de postagens, portanto tenha paciência, antes de mandar seu blog para o limbo ;-)

Entre outras coisas esses pontos foram que os achei mais importantes.

Depois de ler esse posta fiquei pensando "Por que realmente eu criei meu blog?". Bom, já tentei criar um blog no ano passado sobre Java pois estava estudando o recém lancado EJB 3 (Enterprise Java Beans 3, usado para desenvolvimento deaplicações corporativas) e queria um espaço para compartilhar e guardar o que estava aprendendo. Na época nem me interessava em saber o que era AdSense, por isso não tinha nenhum objetivo de ganhar dinheiro com o blog. No começo deste ano, com a crise do AdSense no Brasil, comecei a ler bastante sobre o tal do adsense, e que algumas pessoas ganhavam uma certa quantia com ele. Fiquei com curiosidade. Como eu gostava da idéia de ter um blog, resolvi criar um novo e experimentar o adsense para ver como funcionava. Eis que criei meu humilde blog, com o AdSense adicionado nele desde o primeiro dia :-). Mas meu objetivo mesmo continua sendo compartilhar e guardar informações, e também serve para treino de dissertação ;-)

Bom, sobre o AdSense em meu blog, até agora esta servido mais para estatisticas de acesso ao site (terça-feira, 06/03/07, tive umpico de 10 visitas, já to muito feliz :-). Quanto aos ganhos, tenho acumulado em quase 2 meses de blog incríveis 24 centavos de dólares, e isso por que, dos 3 cliques em propagandas do AdSense, 2 foram meus, para verificar se estava funcionando mesmo. Então eu posso garantir, não crie um blog pensando em ganhar com o AdSense (ou qualquer sistema de propaganda que exista), a não ser que você esteja pensando a longo prazo (1, 2 ou mais anos nos futuro...). Crie um blog se você tiver tempo, paciência, criatividade, cara de pau de expor suas idéias mesmo que sejam toscas, muita força de vontade, ou algum outro motivo mais "nobre". Pelo mesnos essa é minha opinião.

06 março 2007

Depois de phishing por e-mail, agora temos phishing por correio

Hoje aqui na empresa recebi um boleto da empresa nicregistro.com sobre o pagamento de hospedagem de site no valor de R$ 129,00. Achei um pouco estranho e pensei: "A empresa que contratamos para isso foi a LocaWeb, não foi?". Resolvi entrar no site deles para ver se tinha alguma informação, mas no site (que é muito bem feito, diga-se de passagem) não encontrei nada.

Pesquisando no google sobre a empresa acima citada, encontrei várias matérias, notícias, blogs falando sobre essa suposta empresa, que anda enviando boletos para todo mundo que tenha um domínio registrado no registro.br, onde se pode encontrar todos os dados dos domínios registrados lá, o que pode ser considerado até uma falha de segurança, ou pelo menos uma política de segurança fraca, já que alguns espertinhos podem se aproveitar disso.

O triste dessa história é que muitas pessoas/empresas acabam pagando esse bolheto sem se darem ao trabalho de lembrar se algum dia entraram em contato com esse empresa, o que torna o golpe vantajoso. Isso quase aconteceu aqui, quem recebeu o boleto (foi somente o coordenador de informática) apenas colocou em minha mesa para que fosse feito a solicitação de pagamento do boleto.

Passei para a diretoria responsável sobre o que fazer com o boleto, se poderia tomar uma atitude judicial, e fui aconselhado anexar o boleto e uma matéria que peguei na internet sobre esse golpe e arquivar para nos garantir caso haja algum protesto sobre essa cobrança (que acho muito difícil acontecer). Na internet vi também que o Procon recomenda fazer um boletim de ocorrência caso a empresa queira uma maior garantia. Fiquei sabendo também que várias outras empresas aplicam o mesmo golpe.

Então fica a dica, caso recebam algo estranho, pesquisem sobre a empresa, vejam se é valido, arquivem como prova e, caso se sintam mais seguros, façam um BO.